Páginas

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Arábia Islâmica

A construção do Estado árabe iniciou-se com Maomé (570-632), um mercador da cidade de meca que fundaria o islamismo, religião monoteísta cujos seguidores também são chamados de muçulmanos.
Segundo a tradição islâmica, aos 40 anos de idade maomé ou Muhammad ("o mais louvado") teria sido escolhido por Deus para ser o último profeta enviado à humanidade.
Quando iniciou suas pregações, Maomé dizia que os ídolos da Caaba (templo que reunia os ídolos das principais divindades cultuadas pelos árabes, na caaba também encontrava-se a pedra negra - provavelmente um pedaço de meteorito, que era venerada pelos árabes, que acreditavam ter sido milagrosamente trazida do céu por um anjo.) deviam ser destruídos, pois havia um só deus criador do universo, Alá. Isso provocou a reação dos sacerdotes de meca, já que, além de atacar a religião que eles representavam, o profeta poderia prejudicar o comércio gerado pelos rituais politeístas na cidade. Obrigado a deixar Meca em 622, Maomé refugiou-se em Yathrib (posteriormente denominada Medina, "a cidade do profeta"). Esse episódio é chamado de Hégira (palavra de origem árabe que significa "emigração") e marca o início do calendário muçulmano.
Maomé e seus seguidores difundiram a nova religião em Medina e organizaram um exército de fiéis. Em 630, conquistaram Meca e destruíram os ídolos da Caaba. A partir daí, o islamismo expandiu-se pela Arábia, e os diversos povos foram se unificando em torno da nova religião.
Assim, por meio da identidade religiosa, criou-se uma nova organização política e social entre eles e formou-se o Estado islâmico, de governo teocrático. Após a morte de Maomé, em 632, o Estado muçulmano passou a ser governado por califas (palavra de origem árabe que pode ser traduzida por "sucessor". Denominação atribuída aos líderes político-religiosos que sucederam Maomé.), que concentravam os poderes religioso, político e militar.

Fonte: Livro de História -> História Global - Brasil e geral - Gilberto Cotrim
Editora: Saraiva

Nenhum comentário :

Postar um comentário